BLOG NOVO: CONTOS DO ICAL

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Noite da Gala - Jorge da Paixão


 


Noite da Gala
Jorge da Paixão

Noite cálida na escuridão,
vejo o universo estrelado.
Sinto paz no coração,
na Natureza inspirado !

Deslumbrante é o horizonte,
com o céu azul embalado,
nas águas verde errante, 
do oceano endiabrado !

Contemplo as Três Marias
e o Caminho de Santiago.
As estrelas são magias
e a constelação um mago...

Com seu brilho de saudade
desfilando a estrela D'alva
na eterna mocidade
a paz transmite em sua alva...

Brilha o Cruzeiro do Sul, 
vagando todo contente,
guarnecendo o céu azul,
do Brasil eternamente !


Inesquecível viagem - Jany Patricio



Inesquecível viagem
Jany Patricio

Chegamos em La Paz. O pouso foi tranquilo, se comparado às turbulências nas alturas.

Havia um chá de coca para tomar, para melhorar do mal estar. Mas ele me fez enjoar.

Afinal, são mais de 3000 metros de altitude.

Afinal, nos acomodamos, apesar da dificuldade de respirar e andar, e por segurança guardamos nossas passagens de volta e alguns valores no cofre do hotel.

Visitamos o Valle de La Luna, formação encantadora, uma paisagem lunar, que dá  passagem aos mais lindos sonhos românticos dos apaixonados que visitam a paragem. Mas, tropecei nas nuvens e cai nos braços do guia da viagem.

Fomos para Tiahunaco, ruinas da civilização inca. Um grande pátio formado por enigmáticas esculturas de pedra. A minha curiosidade foi tamanha, que numa distração  derrubei a máquina fotográfica, que se espatifou no chão.
Mas, continuando a viagem, seguimos para o Peru.

Lago Titicaca, Ilhas Urus, feitas de totora, flutuam sobre a imensidão das águas. Mas a palha tem seus caprichos e às vezes deixa vãos que turistas desavisados, como eu, atolam os pés e ficam com as botas e roupas molhadas.

No trem para Cusco, paisagem deslumbrantes, picos nevados e céu azul, os Andes.
No trem para Cusco, refeição e conversa. O dia passou rápido e chegamos.

Em Cusco, dei por falta da minha passagem. Ah! meu Deus! Acho que a esqueci no Hotel da Bolívia. Avisei o guia.

Passeamos pela cidade construída sobre as pedras das ruínas incas. Fomos ao mercado para comprar suvenires. Foi lá que perdi dinheiro, acho que deixei cair na hora de pagar as compras. Fiquei com pouco na bolsa.

Finalmente, o mais esperado. Conhecer Machu Picchu, a misteriosa cidade construída pelos incas no alto de uma montanha. Naquele dia ela estava envolvida por uma neblina e garoava. As pessoas vestiam capas de chuva amarelas.

Finalmente! Sentia uma inexplicável plenitude naquele lugar. Fiquei tão enlevada que me distanciei do grupo,  me aproximando de um bando de lhamas que num declive pastava. Uma delas, irritada, espirrou seu muco sobre minha capa amarela. Que susto! Voltei carimbada.

Felizmente, minha passagem foi encontrada.

Felizmente, não esqueci de voltar da inesquecível viagem.



Festa no ceu - Hirtis Lazarin





Festa no ceu
Hirtis Lazarin


A tecnologia e toda sua parafernália invadiu o espaço celestial.  Computador, Ipad, Ipod, câmeras estão espalhados por toda parte.

 Os anjos responsáveis por uma pequena comunidade brasileira estão inquietos, apreensivos, com "as asinhas entre as pernas".  Acabam de receber e-mail curto e grosso do "Supremo Soberano".  Uma reunião de emergência fora marcada para o dia seguinte.

A pauta discutida fora:

1- a partir dos registros das câmeras espalhadas, verificou-se que a grande maioria de celebridades,  artistas famosos, e políticos das últimas gerações não se mostravam ambientados no "paraíso".   Apresentavam sintomas de prepotência, vaidade, insatisfação, depressão, confusão mental;
2- missão dos anjos: organizar uma festa de arromba para estes brasileiros, sem a preocupação com gastos de decoração e serviço de "buffet";
3- recomendações:  Todos deverão ser tratado da mesma forma.

 O combinado fora cumprido.

O salão esta deslumbrante.  Flores as mais exóticas enchem vasos de cristal.  Luzes de todos os tons se misturam num vai-e-vem alucinante, desenhando no espaço, ora uma cascata cristalina, descendo do alto do penhasco, serpenteando entre pedras do caminho até chegar espumante e vitoriosa no ribeiro que a acolhe e a leva pro além; ora as luzes se misturam fazendo aparecer um bando de borboletas beliscando flores que suspiram de prazer; ora tudo fica negro e surge  uma revoada de pirilampos como se fossem lanterninhas voadoras e saltitantes.

 Os convidados vão chegando, e uma orquestra os recebe ao som da quinta sinfonia de Beethoven.
 Todos acomodados, as portas se fecham.  Do alto uma voz rouca e dominadora: __  "O espetáculo vai começar".

 Assim que um anjo assume o microfone para comandar a festa, outro chega e cochicha ao seu ouvido.
 __Senhores e senhoras, temos um retardatário.

 Todos os olhares se voltam para a porta que range ao ser aberta.  Respiração descompassada, suor escorrendo pelo rosto, roupa desalinhada, entra Tim Maia.  Riso geral.  Desinibido como sempre foi, solta o vozeirão.  Canta à capela e arrasa.

 O anjo apresentador assume o posto e informa:

  __Teremos um momento importante.  Fechem os olhos e reflitam... Reflitam sobe a vida que viveram.  Será dada oportunidade àqueles que tiverem algo a comentar.

 A primeira a se manifestar foi Hebe Camargo, brilhando mais que sol em verão de 40 graus.  Levanta-se e caminha com dificuldade ante o peso das joias que ostenta; mais parece vitrine de exposição em joalheria.  Torce o pé e o salto que era um "Luis XV" quebra e fica entalado nas nuvens.   Mantém a pose e caminha mancando.

 A espontaneidade, sua marca registrada, evaporou.  Séria, sorriso amarelo, voz embargada, desata a falar:
                                         A menina simples que eu era
                                         Conquistou fama, prestígio, riqueza.
                                         Achava-me uma princesa
                                         Que nada!  Só quimeras.
          Faço hoje um desabafo
          Tanta jóis, dinheiro acumulado
          Pensei só em mim... Vaidade.
          E o que deixei plantado?
          Ouro, brilhante, esmeralda, rubi
          E um palácio no Morumbi.
                                                 Crianças abandonadas
                                                 Velhinhos indefesos
                                                  E o meu dinheiro?
                                                  "Ta" lá no banco aumentado.
              O tempo vai passar
              O meu nome vai apagar.
              Talvez na mente de algum velhinho 
               Serei lembrada: a mulher do selinho.

          Lá no fundão surge um coral nota mil.
                   Tom Jobim, Vinícius, Nara Leão,
                    Noel Rosa, Ataulfo, Cartola,
                    Adoniran, Elis e Gonzagão.
                              Pegamos nossa viola
                              Música fizemos com inspiração
                              O povo canta, aplaude, não esquece
                               Cumprimos nossa missão.

          O apresentador convoca o político Celso Pita a dar depoimento.  
          O negro vira vermelho
          Lacrimeja, gagueja
          E humilde, cai de joelho.
                             Eu era homem honesto
                             Tinha família feliz.
                              Levaram-me pra política
                              Nem acredito no que fiz.
                                             Apadrinhado por Maluf
                                              Raposa esperta, voraz
                                              Ensinou-me tantas gafes
                                              E a roubar como ninguém faz.  
                                                  Minha maior tristeza
                                                   É servir de gozação
                                                   Ter meu nome lembrado
                                                    Como sinônimo de ladrão. 

O anjo apaga as luzes e tudo fica branco.  Portinari, Anita Malfatti, Di Cavalcanti, jogam pro alto potes de tinta; dedos ágeis como se pincéis fossem manipulam as cores e no ar nasce obra de arte.
          Renato Russo, Cazuza, Raul Seixas gritam:
                             Ultrapassamos todos os limites
                             Do corpo, da alma desenfreada, colorida
                              Fomos tolos, inconsequentes
                             Pagamos caro.  Foi com a vida.

          Como não podia deixar de ser, o Sr. Jânio da Silva Quadros tinha o que falar:
                                             Assumi a presidência
                                             Renunciei.
                                             Fi-lo não porque qui-lo
                                             Não havia jeito
                                             Desanimei.
                                     Cortem-me a língua
                                     Ceguem-me os olhos
                                     Ainda assim escreverei.
                                     Trair a nação?  Jamais.
                                     O exército armado e forte decretou:
                                     Presidentes, nunca mais!
Se o discurso colou, nunca saberemos.

Lá na frente um pessoal esfuziante chama a atenção.  Os olhares se voltam e encontram Golias, Nair Belo, Mussum, Grande Otelo, Dercy Gonçalves e a "Perereca da Vizinha" transforma a festa num grande carnaval.

Para o encerramento, aquela voz rouca e dominadora se fez ouvir outra vez:
 __Reflitam:
                               " O que é que fazia você feliz?
                                          O que é que você fez pra ser feliz?
                                             Frutos contaminados ou saudáveis?
                                É agora... Eu os colherei..."


                                    

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Odisseia no Espaço - Jorge da Paixão



Odisseia no Espaço
Jorge da Paixão

Brilha lá no céu azul
uma lua maravilha.
Ela vai do norte para o sul
numa marcha positiva.

As estrelas  uma colmeia
cravejada de brilhantes,
desvendando a odisseia
em aventuras interessantes.

Me inspiro no Universo
que enriquece a minha ideia.
Vou compondo mais um verso
feliz daqui da plateia !

A arte da constelação
é o divino esplendor,
com a Natureza em ação
regendo paz e amor...

O amor é o horizonte,
aurora da felicidade,
com o brilho radiante
da Perfeita Liberdade !

O Y A S H I K I R I ...

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Poema para meu amor - Jorge da Paixão




Poema para meu amor
Jorge da Paixão

É tão sublime aquela luz
iluminando o meu caminho.
É o amor que lhe conduz,
conduzindo-a com carinho.

O amar é uma emoção
de prazer pela existência.
Ofertando o coração
para alguém com paciência !

Sempre a vida tem razão
ao obedecer o destino.
Às vezes na contra mão,
mas, com esperança vai seguindo...

O alvo da minha vida,
é teu nobre coração.
Nele peço acolhida
para sair da solidão.

Quando existe aliança,
são perfeitas as emoções,
para que o amor em liderança,
possa unir dois corações !
 
O Y A S H I K I R I ...

Dinah Ribeiro Amorim - Comenta nosso blog.




Parabéns pelas histórias escritas e lidas em nosso blog. 
Estão realmente muito boas! 
Prendem cada vez mais a nossa atenção! 
Imagino quem nos visita deve ficar bem satisfeito. 
Não cansam! 
Devemos isso  às nossas criadoras! 
Obrigada por mim,  e por todos! 

Dinah Ribeiro Amorim

terça-feira, 7 de maio de 2013

Festa de aniversário da Rosa Vermelha - Jorge da Paixão



Festa de aniversário da Rosa Vermelha
 Jorge da Paixão

O jardim estava todo enfeitado e perfumado para comemorar no dia da primavera o aniversário da Rosa Vermelha.

Os come e bebe estavam sendo agilizados sendo a Abelha responsável pelos doces e salgados , o Besouro pelas bebidas, o Lagarto pela decoração e o Camaleão pela segurança. A orquestra formada de músicos profissionais, tais com : O sabiá, o Canário Amarelo, o Rouxinol, o Bem-ti-vi, o Cardeal e o Grilo no contra-baixo. todos na expectativa aguardando a presença dos cantores Uirapuru e a Cigarra para animação da festa.

O Anfitrião todo animado recepcionando a todos com um beijinho cortês era o Beija-flor.

Na noite badalada no jardim começaram a chegar os convidados elegantemente trajados : A rosa Amarela, a Rosa Branca, a Rosa cor de Rosa, a Dalia, a Violeta, o Cravo todo metido a conquistador, o jasmim meio afobado porque ele é apaixonado pela Rosa Vermelha e ela ainda não sabe ! Chegou também o Vaga-lume com uma tatuagem nas costas de braço dado com a Formiga cumprimentando todo mundo com o seu pisca-pisca. Até o poeta foi convidado mas, quando chegou a festa já
tinha acabado !

Meia noite em ponto começou a festa, todos dançavam animados ao ritmo da orquestra Laviolense com a harmonia da dupla dos cantores que cantavam assim:

Minha saracura, minha zabelê, toda de manhã estou sonhando com você, se você duvida vou sonhar prá você ver, se você duvida vou sonhar pra você ver...

A noite estava muito linda com o brilho das estrelas enfeitando o luar de esperanças e uma brisa suave envolvendo o ambiente com o aroma romântico do perfume das flores foi quando o Jasmim se aproximou da Rosa Vermelha e sussurrou no seu ouvido: Eu te amo !

O melhor presente de aniversário que ela recebeu foi essa declaração de amor !


quarta-feira, 1 de maio de 2013

ALITERAÇÃO E ASSONÂNCIA NA VIDA DE ANA! - Dinah Ribeiro de Amorim




ALITERAÇÃO E ASSONÂNCIA NA VIDA DE ANA!
 Dinah Ribeiro de Amorim

  Ana, mulher bacana, tão cheia de grana, acaba morando em cabana, rodeada de grama.  

  Perdeu a fortuna no jogo e aí começou o seu drama.

  Joguinho fácil a princípio, rodinha pequena de amigos, levando-a a um grande vício, sem percepção no início.

  Cada noitada, esperançosa, entrava numa rodada, cada noitada, chorosa, levava uma lavada.

  Vai empenhando suas coisas, esperando que a sorte mude, transforme o destino da coisa, jogando mais à miúde!

  Mas a sorte não muda não, sorrindo para o João, que deixa de ser pobretão para ser o rico Dr. João!

  Coitadinha de Ana! Mulher tão bacana! Esvaziou os seus bolsos, passando para João os seus soldos!

  Acontece que João, agora rico e solteirão, amava secretamente, nutria por ela paixão!

  Compadecido, pede sua mão em casamento, emocionando a todos com esse gesto de encantamento.

  Ana aceita logo o pedido, renasce para nova vida, transformando em sorriso, toda tristeza sentida!