BLOG NOVO: CONTOS DO ICAL

terça-feira, 23 de abril de 2013

LITOTE - Hirtis Lazarin

 


 LITOTE 
Hirtis Lazarin

 Depois de quinze anos, está pronto pra nascer o quarto filho do casal "Fernandes".  É o tal do "temporão".
          Os três filhos, já bem crescidos, não acham nada divertida a chegada de mais um morador naquela casa onde não cabe direito nem quem já mora lá.
           Dona Joana tem a idéia não tão feliz  de dar a eles a incumbência de escolher o nome.  Foi o jeito que arrumou pra tentar afastar o sentimento de rejeição.
           Na saleta de T.V., portas fechadas, reúnem-se eles não do jeito fraternal e amigável que a situação exige.
           Enquanto isso lá na cozinha, Dona Joana prepara o jantar.  Ouve berros, xingamentos, cadeiras caindo...
           Depois de horas tantas, entre tapas e beijos, olho roxo, cabelos arrancados, sai a decisão:
                                                  
                                                    Nomes tem de montão
                                                    Sortear um foi a solução
                                                    "LITOTE" é o nome do nosso irmão.
             
           A mãe ri achando que os filhos brincam com as palavras.  Mas diante da seriedade que vê estampada no rosto deles, sabe que a coisa não está pra brincadeira.  Será que seus filhos não estão com o juízo perfeito?
            O sorriso amarelo, a voz embargada e os olhos lacrimejantes de Dona Joana mostram a satisfação que não sente, a mais pura decepção.

                                            Litote nasceu de cabelo vermelho
                                            Pintadinho que nem ovo  de tico-tico
                                            Cresceu num salto de coelho
                                            Dando nó até em pinico.
                                                               
                                                                                Não é bobo
                                                                                Feio também não é
                                                                                É o avesso do avesso
                                                                                Mas adora cafuné.

É ligeiro, é safado
Espevitado como ele só
Descuidar de LITOTE é arriscado
Na sua cabeça ele dá nó.

                                                                       Põe fogo no rabo do gato
                                                                       De branco pinta o louro Zé
                                                                       Do pai esconde o sapato
                                                                       Chama o irmão de chulé
                                                                        LITOTE nunca paga o pato
                                                                        Põe dúvida em quem tem fé.

Esse menino não é diferente
Esconde até certa amargura
LITOTE não é nome de gente
E sua moeda é a travessura.

Nenhum comentário: